segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Você já brincou com o Diabolo?

Vocês conhecem o diabolo? Pronuncia-se "diabolô", um brinquedo de origem chinesa que consiste em duas semi esferas unidas invertidas, que devem ser movimentadas e equilibradas por um cordão preso por duas baquetas o que possibilita diversas manobras. Criado no séc.XII o diabolo é a versão ocidental de um ioiô chinês. 
As crianças conheceram esse brinquedo com o Chico dos Bonecos em uma contação de histórias na Biblioteca Monteiro Lobato, depois desse dia passaram a pedir: vamos fazer um diabolo?
Em tempos de uma sociedade do consumo com brinquedos industrializados/ eletrônicos, os quais muitas vezes oferece a brincadeira pronta para as crianças, vale a pena resgatar essa tradição, além de poder utilizar materiais reciclados.
Para faze-lo vamos precisar de duas garrafas pet cortadas ao meio. Em uma delas a base que rosqueia a tampa também tem que ser cortada. Depois encaixar as duas garrafas invertidas e colocar a tampa para prender. Também precisaremos de um pedaço de barbante preso em duas baquetas.




                                                       E vamos a brincadeira!!!








Os registros das crianças




segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Tinta no azulejo ll: outros pincéis

Ir para o azulejo se expressar através de tintas é uma experiência muito gostosa para as crianças. Acostumadas com essa prática propomos uma nova experimentação: usar outros "pincéis". Elas usaram folhas para pintar, carimbar ou esfregar; um pedaço de pau para riscar ou rolar; os dedos carimbam, esfregam, batem; tampinhas e os próprios potes de tintas para riscar, carimbar e colar formando rostos e desenhos; areia para esfregar e polvilhar a pintura. 

Folhas








Dedos e mãos











Pedaço de pau






Tampinhas e potinhos







Areia











sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Montando uma casa

Em nossa escola temos um espaço para que as crianças brinquem de casinha, ela já foi mais estruturada, com porta, janelas e telhado. Porém por sua localização, a noite e nos fins de semana, ela tinha outros usos pela comunidade. Por esse motivo decidimos deixar somente a estrutura de alvenaria.
As crianças então passaram a usar muito pouco esse espaço, levavam areia para brincar de comidinha ou usavam as janelas para subir e sentar em cima do "telhado". Pensamos em tirar essa estrutura, mas antes procuramos saber o que pensavam as próprias crianças .

Espaço da casinha

Questionadas sobre o que achavam desse espaço algumas crianças se colocaram:
_Atrapalha jogar bola lá._ Matheus 
_A gente não gosta muito._ Iasmim
_Eu gosto de subir nela._ Guilherme
_É da hora subir lá._Davi
_Ia ser muito mais legal se tivesse coisas de casa, um sofá, uma televisão._Julia
_É prô...um telhado ia ser bom, e uma porta também._Alexia
_A gente tinha que ter coisas de casinha._ Raphaella.
_E uma rede lá dentro._ Wendryck

Pensando nisso, resolvemos pintar algumas caixas:





Depois de pintadas as caixas se juntaram com as tampas e foram levadas para a casinha e lá as crianças organizaram a brincadeira:

Um sofá

Uma mesa cheia de copos de suco e comida


Uma televisão


Fogão, armários e mesa


Armários, lugar de copos e lugar de pratos

Comida caprichada

Um banquete

Organizando a louça


Um microondas

 Com essa interferência já não havia mais espaço para tantas crianças brincarem. Algumas procuraram outros cantos no parque para fazerem a sua "casinha". 
Dessa forma, ao ouvirmos as crianças e conhecermos suas necessidades de brincadeira torna nossa mediação significativa, dar voz aos pequenos é descobrir novos caminhos que nossos olhos viciados de adultos não conseguem mais enxergar.