quinta-feira, 25 de junho de 2015

Colagens com elementos naturais coletados no parque

 As crianças foram convidadas a pesquisar o que viam pelo parque, como folhas, pedras, gravetos, areia, terra. Pedimos para que coletassem o que achassem interessante e colocassem em uma folha de cartolina. O que percebemos foi seu interesse maior em ver a terra e a cola e os efeitos e texturas que essa mistura causou, não importando o resultado final mas o processo, tanto é que muitas folhas tiveram que ser descartadas pois não havia como guardá-las tamanha intensidade. Foi uma experiência rica, que propiciou a exploração daqueles elementos em outro contexto.


A textura da cola por cima da terra
 









A textura na mão da terra e da cola







Desafio de colar folhas e terra



Camadas



Pesquisando com os amigos

Gostaram de sentir a "meleca" que fizeram.


Pietro e Miguel - 4 anos

Yago - 4 anos

Lorena - 4 anos

Ana Clara- 4 anos

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Meu brocado: Uma colagem com tecidos

Há uma história chinesa cuja a mãe de três filhos confecciona um brocado com a paisagem de uma casa e um jardim onde ela gostaria de morar com sua família. Esse brocado porém lhe é arrancado pelo vento e levado pelas Princesas do Sol e seus filhos se esforçam para recuperá-lo e assim tornar o sonho da mãe em realidade.
Depois de ouvirem essa história as crianças foram convidadas a imaginar um lugar onde gostariam de morar e com retalhos de tecidos compor seus brocados.
Cortar o tecido foi um grande desafio, pois as tesouras não ajudaram muito, mas logo acharam um jeitinho de se ajudarem esticando o tecido para cortá-lo e o resultado foi bem interessante.




Como ficaram os "brocados"

Reino dos Unicórnios - Maria Eduarda 5 anos


Castelo com Torres Nícolas - 5 anos


Reino do Mar - Davi 5 anos



Castelo Escondido - Guilherme 6 anos


Minha Casa - Raphaelle 6 anos


Casa-  Anthony 5 anos


Nuvens - Bianca 5 anos

Castelo - Wendricky 6 anos








quinta-feira, 30 de abril de 2015

Registrar é preciso


Todos sabemos da importância do registro de nosso trabalho junto as crianças, afinal é ele quem vai fazer a ponte entre a teoria e a prática. A prática alimentando a teoria que por sua vez subsidia a prática novamente ressignificada.
A documentação pedagógica permite aos professores revisitar, avaliar, observar, reinterpretar os fatos e acontecimentos fora do processo, ou seja do momento filmado, anotado ou fotografado, e poderá através disso se ater a detalhes desapercebidos e reinterpretá-los para que possa qualificar sua prática, além de poder trocar com outros professores ampliando suas perspectivas. É sem dúvida um elemento formador dos professores.
Porém ele não deve ser apenas um arquivo, guardado para memória e coleções de portfólios. Ele deve estar vivo e presente, e ser acessível além de construído juntamente com as crianças. Quando as crianças são envolvidas neste processo, elas podem revisitar, refletir, reinterpretar e organizar seus conhecimentos, conversando com outras crianças elaborando hipóteses, comparando idéias, argumentando, avaliando e se auto avaliando também fora do momento descrito, pensando nela e ouvindo os outros. É um elemento construtor de conhecimentos e de identidades.

Deve também estar acessível aos pais, para que estes conheçam o que seus filhos fazem na escola, como e porque. Podem trocar com os outros pais, ampliando seus olhares e construindo suas identidades, tornando visíveis muitas questões as quais não se dão importância, percebendo e valorizando a cultura das crianças. É então um instrumento que torna visível a infância.


As crianças podem visitar e relembrar suas experiências, esse momento é muito rico e a criança tem condições de reavaliar e rever seus registros e compartilhar seus olhares com os amigos










Livro da turma - 6C



Capa - algumas letras se perderam no manuseio


As crianças fizeram sua assinatura


Fotos e pinturas

Registro das impressões das crianças


Desenhos e fotos




Livro da Turma - 6F





Algumas falas das crianças foram registradas 


Desenhos e fotos



Caderno de registros

Relato da experiência e desenho da criança

Fotos e impressões




No caderno anotamos nossas impressões sobre as experiências e as crianças, podemos avaliar, fazer perguntas, propor outros caminhos, perceber fatos desapercebidos e registrar nossas vivências, sendo autores de nosso cotidiano sempre levando em consideração a criança, o que ela nos traz considerando-a e oportunizando sua participação e autoria.












quarta-feira, 8 de abril de 2015

O que as crianças pensam sobre a escola?


Já realizamos uma postagem relatando a experiência das crianças avaliarem ação educativa. Inicialmente, nossa unidade passou por um processo avaliativo (em 2013), onde comunidade, funcionários dialogavam sobre aspectos relativos à qualidade da educação infantil, considerando os Indicadores de Qualidade da Educação Infantil. Em seguida, sentimos a necessidade de realizar essa avaliação com as crianças que estavam envolvidas no processo, relatando o que tinha ocorrido no encontro com as famílias e demonstrando sua curiosidade em relação aos cartões que fazem parte da metodologia. E nos surpreendemos com a criticidade das crianças.
No ano de 2014 não fizemos a avaliação com os pais e a comunidade, mas resolvemos fazer novamente com as crianças, desta vez com mais planejamento. Primeiramente criamos algumas questões e dimensões sobre a escola, com termos e situações que no decorrer do ano julgamos que foram significativas para elas.
A metodologia também foi mantida, usando os cartões para expressar as opiniões das crianças: verde- bom amarelo- mais ou menos e vermelho- ruim, e dividimos as dimensões em dois dias, pois eram cansativas no mesmo dia. Para registrar usamos gravação de áudio e filmagens, além de anotações.


O QUE AS CRIANÇAS PENSAM SOBRE A ESCOLA?

I LINGUAGENS:

O VOCÊS BRINCAM DE BARRO, AREIA, ÁGUA, BRINCAM DE CORRER, PULAR, ROLAR, ETC?
O VOCÊS USARAM MATERIAIS DIFERENTES COMO COLA, PAPÉIS, TESOURAS, TINTAS, FITAS, JORNAL E REVISTAS?
O VOCÊS OUVIRAM, DANÇARAM E CONHECERAM MÚSICAS DIFERENTES?
O VOCÊS OUVIRAM HISTÓRIAS? USARAM LIVROS, GIBIS E REVISTAS?
O VOCÊS GOSTAM DOS BRINQUEDOS DA ESCOLA?

II- PARQUE

O VOCÊS USARAM TODOS OS ESPAÇOS DA ESCOLA?
O O PARQUE É UM LUGAR LEGAL PARA BRINCAR?
O VOCÊS GOSTARAM DE BRINCAR COM TECIDOS, CAIXAS E TAMPINHAS?

III- RELAÇÕES:

O FIZERAM MUITOS AMIGOS NA ESCOLA?
O - QUANDO VOCÊ BRIGA COM SEUS AMIGOS VOCÊ CONSEGUE RESOLVER?
O VOCÊ FALA DO QUE ACONTECE NA ESCOLA PARA SUA FAMÍLIA?
O VOCÊ CONSEGUE COMPARTILHAR OS BRINQUEDOS COM OS AMIGOS?
O VOCÊ SE SENTE RESPEITADO PELA PROFESSORA E PELOS ADULTOS DA ESCOLA?

IV ALIMENTAÇÃO:

O VOCÊ GOSTA DA COMIDA DA ESCOLA?
O VOCÊ GOSTA DE SE SERVIR? (COLOCAR A COMIDA NO PRATO)
O O LUGAR QUE VOCÊ COME É AGRADÁVEL?
O VOCÊ COME JUNTO COM OS SEUS AMIGOS?
O OS ADULTOS AJUDAM VOCÊ NESSE MOMENTO?

V EVENTOS DA ESCOLA:

O VOCÊS SÃO OUVIDOS E DÃO SUA OPINIÃO SOBRE AS FESTAS DA ESCOLA?
O VOCÊ PARTICIPA DAS FESTAS DA ESCOLA?
O VOCÊ GOSTOU DOS PASSEIOS?
O SUA FAMÍLIA GOSTA E PARTICIPA DAS FESTAS E REUNIÕES?

Conclusões da crianças:
Turma A - Crianças de 5 a 6 anos (Infantil II)

O que a gente faz na sala:
Fica muito sujo e se pular machuca. Wendricky
“É legal rolar. Nícolas
Na hora de ir embora você põe música. Alexia
Eu não fui no museu e você só colocou uma música. Vivian

Sobre os brinquedos:
Os brinquedos estão todos quebrados e eu só gosto do caminhão novo.Caio
Os brinquedos não tem pilha pra brincar.Vivian
Quase nenhum brinquedo da casinha é quebrado. Alexia

Sobre os conflitos:
Eu não sou o dono e quando alguém fica brigando eu não me importo e continuo brincando. Erick
Consigo só com o Nícolas e com o Anthony.Matheus
“É porque a Julia sempre quando a gente vai brincar ela tem que mandar na brincadeira.Alexia
Eu não consigoeu não sei…”Lucas
Eu sou muito chata.Yasmim
Dá pra devolver odá pra pedir desculpa. Dá pra falar respeito. Maria Eduarda

Sobre a alimentação:
(Colocou dois cartões, verde e vermelho) Porque tem vezes que é gostosa e as vezes não é. Yasmim
Eu não gosto de cenoura, de pepino e também só gosto de arroz e feijão e quando nós faz piquenique com hot dog. Matheus
(self-service) A gente pode pegar pouco ou mais ou menos.Alexia
Eu acho muito legal colocar comida no prato nós mesmo.Erick
Os tios ajudam, eles só falam pra colocar a comida e a quantidade.Alexia

Sobre as conversas com a família:
Eu falo (da escola para os pais) toda vez que acontece uma coisa legal, uma festa, e quando acontece coisas ruins também.Erick
Eu conto para meu pai só de vez em quando, ele pergunta o que eu comi na escola, se foi legal, aí eu falo só a metade. Porque ele pede pra eu falar. É porque me esqueço. Alexia

Sobre compartilhar brinquedos:
Eu divido com os amigos.Franciele
“É muito chato dividir.Maria Eduarda
Eu divido só com o Nícolas, com o Wendricky e também com o Anthony.Matheus
Todo mundo pega os brinquedos de mim.Lucas

Sobre as festas da escola:
Em todas as festas eu não vim, eu me atrasei e na outra minha prima não me trouxe Alexia
Eu nunca fui nas festas da escola, só uma vez, porque a minha mãe fala que eu tenho que faltar.Lucas
Eu gostei da festa do pula-pula.Matheus
Minha avó não me trouxe porque ela estava arrumando a casa.Alexia
Eu venho todo o dia nas festas porque tem muitas coisas legais lá.Franciele

Sobre os passeios:
Gostei de ouvir histórias e de dormir no ônibus.Maria Eduarda
Eu gostei muito porque a gente viu quadros, livros, coisas…”Erick
Eu gostei porque aquele banco abaixava e dava pra subir, e quando abaixava dava pra nós dormir.Yasmim

Avaliação sobre a avaliação:
Eu gostei de usar os cartões senão a gente tinha que falar: sim, mais ou menos, não - a gente. Se o cartão falasse o que a gente queria a gente não precisava falar."Alexia


Turma B - Crianças de 5 a 6 anos (Infantil II)

O que a gente faz na sala:
A gente não usou tinta de cola. Pedro
A mão fica cheia de cola. É ruim usar cola. Enzo
Eu gostei de dançar a Salete. Raiani
“Gibi só teve uma vez podia ter mais.” Victor


Sobre os brinquedos:
“Tinha que ter tobogã e carrossel.” Nicollas
“Tinha que arrumar a balança.” Hector
“Tinha que ter a brincadeira com mangueira e mais alegria. Você falou que ia ter a brincadeira com a mangueira, mas não teve.” Geovanna
“Porque tem uns brinquedos quebrados, a gente brinca certo e os meninos errados.” Kamilly
“Mas tem boneca quebrada também.” Bruno
“Falta bola e a balança.” Enzo e Victor concordaram
“Mais escorregador e balança.” Nicollas


Turma C - Crianças de 5 a 6 anos (Infantil II)

O que a gente faz na sala:
Só às vezes brincamos porque brincamos mais na mesa. Ana Clara
Tinta somente uma vez e jornal não usamos. Thainá
Só de vez em quando ouvimos e não conhecemos todas as músicas. Marcos

Sobre os brinquedos:
Não pode brincar com água, barro, nem em cima do trenzinho.” Lucas
“Só de vez em quando, não divia brincar muito porque tinha que escrever mais no caderno o que a professora manda porque vai chegar na primeira série só quer brincar.” Maria Eduarda

O registro realizado das falas das crianças refere-se a turmas diferentes. Desta forma podemos perceber o olhar das crianças, suas lógicas, a clareza, o que consideram importante e as características de cada turma. Quando organizamos um passeio para as crianças pensamos em diversos aspectos, mas não no banco do ônibus que levanta e abaixa. A brincadeira de mangueira citada pela Geovanna foi planejada para ocorrer antes do carnaval, mas choveu e não ocorreu. Mesmo a avaliação tendo sido realizada em dezembro ela lembrou. Consideramos que o fato de não termos realizado a avaliação com as famílias e a comunidade, as crianças não tiveram o mesmo interesse pelos cartões como no ano anterior. Mas foi fantástica a lógica da Alexia avaliando o uso dos cartões, poi se o cartão falasse a gente não precisava dizer...
Tivemos o mesmo problema do ano de 2013, não tivemos tempo de devolver às crianças os registros de sua avaliação, e de pensar em soluções e estratégias para superar os problemas ou dificuldades apresentadas. Mas nos trouxe muitas reflexões acerca de escutarmos suas vozes dentro da escola, não só em um único dia, mas no decorrer do ano, propiciando a elas a oportunidade de serem corresponsáveis pelo espaço educacional ao qual fazem parte.